O queijo é um ingrediente extraordinário que tem o poder de transformar pratos simples em verdadeiras iguarias. Um exemplo de sua magia gastronômica é o delicioso pão de queijo, um clássico da culinária brasileira que conquista a todos que o saboreiam.

Queijo: O Segredo Delicioso por Trás do Pão de Queijo

Por Gabriela Dorneless e Ivoneti Silva Vale do Sabor
11/09/2023 às 16h32

Quando se trata dessa emblemática iguaria, a escolha do queijo certo é essencial para alcançar a perfeição. Neste artigo, exploraremos o impacto decisivo que a escolha do queijo exerce sobre o sabor, aparência, aroma e resultado do pão de queijo.

Origem do Queijo

O queijo é um dos alimentos mais antigos e versáteis da história da humanidade, tendo sua origem há mais de 8000 a.C. Com a domesticação de animais como bovinos, ovinos e caprinos, surgiu a necessidade de conservar o leite para fins alimentares, levando à criação do leite coalhado, ancestral do queijo.

 

Os egípcios foram um dos primeiros povos a criar gado e utilizar leite para a produção de queijo. Os gregos e, mais tarde, os romanos, também contribuíram significativamente para o desenvolvimento e disseminação dessa iguaria, tornando-a um alimento essencial em suas refeições e parte integrante da dieta de soldados e atletas.

 

Com o declínio do Império Romano e a redução do comércio a longa distância, a produção de queijo se diversificou na Europa, com diferentes regiões desenvolvendo suas próprias técnicas e produtos. As ordens religiosas, com sua influência na economia da Europa Ocidental, passaram a liderar a indústria do queijo, resultando em queijos importantes que perduram até os dias atuais, com destaque para os renomados queijos franceses.

O Queijo Minas Artesanal

No Brasil, a produção do queijo minas artesanal teve início durante o ciclo do ouro, quando imigrantes portugueses trouxeram a receita do queijo da Serra da Estrela. Inspirados nessa técnica, moradores de algumas fazendas brasileiras iniciaram a produção do queijo minas artesanal, que é obtido a partir do leite fresco e cru de vacas, seguindo o método original até os tempos atuais.

O Queijo Minas Artesanal

Tamanha foi a relevância cultural e gastronômica do queijo minas artesanal que, em 15 de maio de 2008, ele foi reconhecido como patrimônio imaterial brasileiro pelo Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN). A produção e comercialização dos queijos artesanais mineiros foram regulamentadas pela lei estadual 20.549 de 18/12/2012, estabelecendo critérios para o processo de produção e adequação de infraestrutura para atender às exigências do órgão de fiscalização sanitária.

Papel do Queijo na Receita de Pão de Queijo

O pão de queijo é um prato típico da culinária brasileira, especialmente popular na região de Minas Gerais. Sua receita tradicional leva ingredientes simples, como polvilho azedo, queijo, ovos, leite e óleo. O protagonismo do queijo nesta receita é inquestionável, pois é o ingrediente que confere o sabor marcante e a textura macia e elástica ao pão de queijo. O tipo de queijo utilizado pode variar, mas os mais comuns são o queijo meia-cura e o queijo parmesão, que proporcionam a textura e sabor ideais para a receita.

 

Dentre outros tipos de queijo utilizados na produção do pão de queijo, podemos citar também, o queijo provolone e o queijo minas padrão, cada um conferindo um sabor único para essa delícia.

 

O queijo parmesão, com seu sabor salgado e ligeiramente picante, acrescenta uma intensidade característica ao pão de queijo, elevando o sabor da receita a outro patamar. Já o queijo meia-cura, com sua textura mais firme e sabor levemente adocicado, traz uma suavidade que combina perfeitamente com a crocância externa do pão de queijo. Por sua vez, o queijo provolone, com seu sabor defumado e marcante, confere um sabor diferenciado e marcante ao tradicional pão de queijo, agradando aos paladares mais audaciosos.

Como Escolher o Queijo Ideal

A qualidade do queijo afeta diretamente o resultado do pão de queijo. Um queijo bem produzido, com ingredientes selecionados e processos adequados, proporcionará uma experiência gustativa mais rica e satisfatória. A aparência também é influenciada, pois um queijo de qualidade tende a derreter e se incorporar à massa de maneira uniforme, resultando em pãezinhos com uma textura e aspecto atraente.

 

No que diz respeito ao sabor e aroma, um queijo de qualidade adiciona profundidade e complexidade ao pão de queijo, com suas notas distintas e características únicas. Por outro lado, a escolha de um queijo inadequado pode levar a um resultado desfavorável, com um pão de queijo sem sabor ou com sabores alterados que não combinam bem com a massa.

Portanto, ao fazer o pão de queijo, a escolha do queijo é fundamental para garantir uma experiência verdadeiramente deliciosa. O impacto de um bom queijo é sentido em cada mordida, culminando no pão de queijo perfeito, com aparência, sabor e aroma irresistíveis. Confira algumas dicas e erros para fazer uma escolha certa:

 
  1. Opte por queijos de qualidade, com sabores e aromas mais intensos.
  2.  
  3. Embalagem: Muitas vezes, as embalagens dos queijos fornecem informações importantes sobre seu sabor, textura e intensidade, auxiliando na escolha adequada.
  4.  
  5. Textura: De preferência à queijos mais firmes e secos.
  6.  
  7. Queijos muito salgados: Queijos excessivamente salgados podem comprometer o sabor do pão de queijo, neste caso deve-se atentar em reduzir o sal da receita.
  8.  
  9. Queijos muito oleosos: Queijos com alto teor de gordura podem resultar em um pão de queijo muito gorduroso e pesado.
  10.  
  11. Queijos semelhantes: Optar por queijos com perfis de sabor muito parecidos pode resultar em um pão de queijo sem complexidade e menos interessante.

Queijo Artesanal x Industrial

As diferenças entre queijo artesanal e queijo industrial têm um impacto significativo no resultado do pão de queijo .

 

O queijo artesanal é produzido de forma tradicional, em pequenas quantidades, seguindo métodos artesanais e com ingredientes selecionados, como leite fresco e cru. Isso proporciona um sabor e aroma únicos ao queijo, com nuances complexas. O queijo industrial é fabricado em larga escala, com processos automatizados e ingredientes padronizados, resultando em um produto mais uniforme, porém com menos personalização.

 

No contexto do pão de queijo, a utilização de queijos artesanais pode conferir um sabor autêntico e distintivo à iguaria, combinando melhor quando a proposta do prato é a representação da culinária regional.

 

Os queijos de Minas Gerais são conhecidos por sua diversidade e qualidade. Por exemplo, o Queijo Canastra, da Serra da Canastra, é apreciado por seu perfil robusto, enquanto o queijo do Serro é famoso por suas notas mais suaves e delicadas. O queijo de Alagoa, também em Minas Gerais, é reconhecido internacionalmente por suas qualidades distintas. Ao longo dos anos, o Queijo D’Alagoa-MG acumulou uma impressionante lista de prêmios e medalhas, destacando-se como um dos melhores queijos artesanais do Brasil. No entanto, é importante mencionar que a diversidade de sabores e aromas não se limita apenas a Minas Gerais.

 

Recentemente, no 6º Prêmio Queijo Brasil, realizado em Santa Catarina, os queijos produzidos artesanalmente no estado do Espírito Santo, também ganharam destaque. Duas queijarias localizadas em João Neiva, na Região Norte do Espírito Santo, receberam prêmios por suas criações excepcionais. Estes queijos se destacaram pela “explosão” de sabores que proporcionaram, demonstrando que a tradição queijeira e a busca por qualidade estão se expandindo para outras regiões do Brasil, enriquecendo ainda mais a rica diversidade de queijos artesanais no país.

 

Os queijos artesanais podem conferir ao pão de queijo resultados diversos de sabor e textura, a depender da região em que foi produzido o queijo.

  • Receitas de Pão de Queijo
  • Bolos
  • Receitas com Aveia
  • Receitas com Mandioca
  • Receitas com Polvilho
  • Receitas com Tapioca Granulada
  • Receitas sem Glúten
  • Sanduíches de Pão de Queijo
  • Tortas

Por outro lado, o queijo industrializado feito a partir de leite pasteurizado, também tem as suas vantagens. Primeiramente, garante uma maior segurança alimentar, uma vez que o processo de pasteurização elimina bactérias patogênicas, reduzindo o risco de doenças transmitidas por alimentos. Além disso, proporciona uma consistência e qualidade mais uniformes, pois elimina variações naturais presentes em leites crus de diferentes origens. A pasteurização também prolonga a vida útil do produto, contribuindo para a estabilidade e disponibilidade no mercado. Isso torna o queijo feito com leite pasteurizado mais acessível e regulamentado globalmente.

 

Em muitos países, a legislação de segurança alimentar exige o uso de leite pasteurizado na produção comercial de queijos, proporcionando uma maior proteção para grupos populacionais mais susceptíveis a infecções alimentares. Isso inclui crianças, idosos, mulheres grávidas e pessoas com sistemas imunológicos comprometidos.

 

Entre os queijos pasteurizados temos o queijo parmesão, que é um dos queijos curados industrializados mais usados nas receitas de pão de queijo, apesar de ser produzido em larga escala, mantém um perfil amplamente apreciado na culinária ao redor do mundo. Sua textura firme e granulada, aliada ao sabor intenso que varia de adocicado a picante, confere um toque único a diversos pratos. O sabor característico e o aroma marcante do queijo parmesão também variam de acordo com o tipo e a região de produção. Independentemente do tipo escolhido, o queijo parmesão é uma iguaria adorada por sua versatilidade e capacidade de aprimorar o sabor de diversos pratos culinários.

 

Em resumo, a escolha do queijo tem um impacto significativo no resultado do pão de queijo. Portanto, o produto final a ser obtido, neste caso o pão de queijo, irá variar de acordo com a preferência de cada um, sendo definido na escolha entre esses tipos de queijo e priorização de características específicas na preparação da massa do pão de queijo.

Conclusão

O queijo é um ingrediente verdadeiramente extraordinário que desempenha um papel fundamental no sabor e sucesso do pão de queijo. A escolha cuidadosa do queijo, seja ele artesanal ou industrial, impacta diretamente no sabor, aroma e aparência do pão de queijo, proporcionando uma experiência gastronômica única e irresistível, ou não! Portanto, considere todas as dicas ao escolher o ingrediente que será protagonista em sua Receita de Pão de Queijo.

Referências

Fox, P. F., Guinee, T. P., Cogan, T. M., & McSweeney, P. L. H. (2017). Fundamentals of Cheese Science. Springer.

Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN). Processo de Registro nº 01350.001721/2002-85.

Drummond, M. M., Queiroz, M. R., & Gomes, S. M. (2016). Traditional Brazilian Cheese Bread (Pão de Queijo): Technological and nutritional aspects. Food and Public Health, 6(3), 83-87.

Vilela, D. M., Esmerino, E. A., Silva, V. M., & Pinto, U. M. (2015). Current scenario of artisanal cheese in Brazil: a review. Journal of Food Science and Technology, 52(10), 6247-6254.

Soares, F. A., et al. (2017). Influence of the type of cheese on the rheological properties of Brazilian cheese bread. Journal of Culinary Science & Technology, 15(1), 72-85.

Peixoto, D. R. G., de Souza, V. R., Pinheiro, A. C. M., Amorim, E. P., & Queiroz, F. (2020). Effect of cheese type on the sensory and physicochemical properties of Pão de Queijo. Ciência Rural, 50(7), e20190529.

Peixoto, D. R. G., et al. (2019). Influence of Parmesan cheese on quality characteristics of gluten-free cheese bread. Food Science and Technology, 39(4), 836-841.

Braga, N. N. N., et al. (2018). Use of meia-cura cheese in the formulation of Pão de Queijo (Brazilian cheese bread) with reduced sodium content. LWT, 90, 132-138.

Santos, J. V. S., et al. (2020). Addition of provolone cheese to Brazilian cheese bread: Technological and sensory properties. Food Science and Technology, 40(1), 146-151.

Cook, M. J. (2019). A comparative study of commercial and artisanal cheeses: Their physicochemical, microstructural and sensory characteristics. Journal of Food Composition and Analysis, 79, 57-67.

Posts Similares

Deixe um comentário